segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A TEMIDA VIDEO FARINGO NASOLARINGOSCOPIA

Só o nome do bendito exame já é uma novela...então a Helena fez este exame ainda na UTIneo e foi ele que levou ao diagnóstico de incoordenação grave de deglutição e paralisia das pregas vocais esquerdas - este diagnóstico foi decisivo para a opção de colocação da gastrostomia e finalmente para a alta da Helena. Enfim, este exame deve ser repetido, esta é a conduta mais prudente e comum depois de aproximado um ano de tratamento fonoaudiológico pós-alta hospitalar - este segundo resultado (em conjunto com a situação clínica da criança) avalia a possibilidade de aspiração de alimentos líquidos e pastosos e da própria saliva pela criança impossibilitando assim a ingestão de alimentos via oral.

Dentre as sequelas que a Helena apresentou até então a dificuldade em deglutir tem sido a de mais difícil reversão, ela não teve pós-alta hospitalar pneumonias de aspiração e não apresenta escape de saliva - ou seja, não baba e por isso acreditamos que ela deglute a saliva que produz (em quantidade menor que uma criança da sua idade devido a ausência de ingestão de alimentos via oral) sem maiores problemas. Este quadro clínico leva a crer que ela não mais possui problemas para deglutir, mas...o famoso mas...ela tem sim uma dificuldade em deglutir e se engasga com facilidade até mesmo com um aumento de secreção, coisa comum neste tempo frio e seco.

A Helena começou o tratamento fonoaudiológico ainda dentro da UTIneo e já passou por algumas profissionais, a mais longeva foi a Carla Menezes (Cacá para a Helena) que ainda faz pelo menos um acompanhamento mensal com ela. Neste último mês conseguimos uma profissional em Ouro Preto com experiência em disfagia e que trabalha na APAE, assim a Helena vai ganhar um ritmo com os atendimentos de fono que aconteciam semanalmente ou quinzenalmente em BH - poucas sessões mensais dentro das nossas possibilidades de tempo e deslocamento - mas...TODAS as fonos que acompanham a Helena pediam o exame título deste post para conhecer as condições de deglutição reais e atuais da Helena visto que ela cresceu muito e "maturou" muitas das funções neurológicas desde que saiu do hospital.

Porquê ainda não tínhamos feito o exame?...porque estávamos (eu menos o pai dela mais...muito mais...) receosos quanto ao exame em si e os engasgos que ela sofreria na sua execução...aí protelando, protelando...acabei perdendo a paciência e marcando uma consulta com a otorrino que atendeu e acompanhou a Helena na UTIneo - que já não era mais a que a acompanhou pós-alta. Outras questões a serem investigadas no exame e que podem prejudicar não só as questões de deglutição da Helena: amígdalas gigantes e adenoides. Enfim dia 29 de agosto fomos para a consulta e para uma conversa e uma milésima explicação do exame, suas consequências e sua imperiosa necessidade neste ponto do tratamento da Helena...

Conversa vai, conversa vem...examinando a Helena percebo que a médica estava se preparando para fazer o exame...e tchan...nos pegou no pulo e fez o exame na consulta...haha...não houve nem tempo e nem espaço para discussões e ressalvas. O exame correu bem, a Helena realmente engasgou bastante, mas nada que a tenha prejudicado muito...enfim vencemos mais esta etapa que estava me tirando o sono...Resultado:

As amígdalas não são gigantes, mas bem maiores que o convencional - esperaremos mais um pouco para ver se será necessário um procedimento cirúrgico. Não, não e não!!! : ( ;

A adenoide é fora do normal (obstrui 80% das cavidades nasais) daí a explicação de porque a Helena é respiradora oral e do ronco (de adulto acreditem) quando dorme - acompanhamento e entrada de dois novos medicamentos: um corticoesteroide de inalação para diminuição e um antialérgico em suspensão (sachês) administrado via oral, prazo para um resultado efetivo 60 dias, depois pensar em cirurgia - Aff!!! Não, por favor!!! : ( ;

As pregas vocais esquerdas estão ainda paralisadas (posição mediana), sem reversão - consequência: voz rouca, com amplitude menor e um pouco mais de dificuldade para respirar - nada que não soubéssemos ou desconfiássemos e nada também que vá trazer problemas graves para o desenvolvimento da Helena;

Deglutição em perfeito estado! UHU! Nada de saliva paralisada e de incoordenação - a Helena está liberada para todas as consistências, mas claro com parcimônia e acompanhamento da fono que vai ter que trabalhar muito junto conosco para que a Lelê aceite os alimentos e com o tempo possa diminuir a nutrição via sonda e quem sabe até retirá-la no futuro !

Enfim o saldo foi positivo e não foi tão agressivo quanto pensávamos...somente os nossos pobres coraçõezinhos saíram dilacerados do consultório...aff...como sofremos com nossos pequenos...a Helena mesmo depois do exame traumático e ainda choramingando soltou um "Obregado..." para a médica quando ela ofereceu um palitinho com sabor...Oh dó! Vamos que vamos rumo à apreciação dos bons sabores da vida...na torcida e com fé de que Lelê vencerá mais este obstáculo!!!


P.S.: este exame é executado com a inserção de uma sonda com câmera pelo nariz até a faringe...muito chato...a Helena não sangrou apesar do nariz mínimo que tem, mas muitas crianças têm vasinhos rompidos durante o exame e o sangramento até pode provocar engasgos e o sangue se aspirado pode causar problemas gravíssimos...daí nossas ressalvas nem tanto infundadas...

Um comentário:

  1. o relato me acalmou bastante. obrigado! fica com Deus.

    ResponderExcluir